Ministro da Saúde diz que a importação de médicos estrangeiros não pode ser um tabu

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, declarou que a importação de médicos estrangeiros não pode ser um "tabu" e que a prioridade do governo será atrair profissionais para suprir a defasagem existente no interior do país e na periferia de grandes cidades.

O ministro disse que a política de atração de médicos estrangeiros "não deve ser um tabu no Brasil porque em nenhum outro pais é". Ele afirmou que 40% dos médicos na Inglaterra são formados em outros países.

Confira mais da notícia no site da Folha de São Paulo.

Dilma assina em junho decreto para contratar médicos estrangeiros para trabalhar no interior do país

A presidente Dilma Rousseff vai autorizar a contratação de médicos estrangeiros para atuarem no interior do país. A informação foi divulgada pela ministra-chefe da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República, Ideli Salvatti.

O decreto será assinado em junho e os médicos estrangeiros serão pagos pelo Ministério da Saúde. Ideli Salvatti falou que atualmente os prefeitos pagam de R$ 25 mil a R$ 30 mil para um médico no interior do país, mas, mesmo assim, não encontram profissionais para as comunidades de menor perspectiva profissional para eles.

Leia mais da notícia no site do jornal O Globo.

Dilma diz que 'vale brigar' para contratar médicos estrangeiros

Diante de uma plateia de prefeitos repleta de pleitos, entre eles a contratação de médicos estrangeiros, a presidente Dilma Rousseff declarou na noite desta terça-feira (23 de abril) ser a favor de comprar a briga e "importar" os profissionais para a rede pública

O governo federal já estuda uma forma de facilitar a atuação de médicos estrangeiros e de brasileiros formados no exterior na rede pública de saúde. Atualmente, esse ingresso é feito principalmente pelo Revalida, exame tido como difícil e com alta taxa de reprovação. 

Os prefeitos, contudo, pressionam a presidente para autorizar a contratação dos estrangeiros. Nesta terça, o presidente da Frente Nacional de Prefeitos, João Coser, fez outras cobranças explícitas à presidente.

Leia mais da notícia no site da Folha de São Paulo.

Debatedores pedem revalidação mais rápida, mas não automática, de diplomas emitidos no exterior

Encontro na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) discutiu o Projeto de Lei do Senado (PLS) 399/2011, conhecido como Arcu-Sul, que trata da revalidação e do reconhecimento automático de diplomas de instituições de ensino superior estrangeiras. O pedido dos participantes incluiu maior agilidade no processo, menos burocracia e critérios mais transparentes para revalidação no Brasil de diplomas obtidos no exterior, porém a maioria dos debatedores foi contra a revalidação automática dos diplomas.

Confira mais do debate na notícia da Agência Senado.

Governo planeja "importar" médico para a rede pública

A atuação de médicos estrangeiros e de brasileiros formados no exterior na rede pública de saúde pode ser facilitada por uma proposta em debate pelo governo federal. A ideia é lançar editais internacionais para que os médicos trabalhem vinculados à rede pública em cidades do interior e periferias carentes de assistência, com registro provisório de dois anos. Nesse período, o médico seria acompanhado por tutores e supervisores de instituições de ensino e teria aulas de português e sobre o SUS. 

O Ministério da Saúde calcula um deficit de 160 mil médicos, que será suprimido apenas em 2035 se mantida a presente situação. O governo também estuda alterar o Revalida, para que o exame tenha o mesmo grau de exigência dos cursos nacionais. Uma possibilidade é calibrar a nota de corte pelo desempenho de formandos de medicina na prova. 

Confira a notícia integral na página da Folha de São Paulo.

Validação de diploma de Medicina pode ser facilitada

Uma nova alternativa para facilitar a validação de diplomas de Medicina obtidos no exterior está em discussão no governo. A ideia é alterar a metodologia do Revalida, exame exigido de profissionais interessados em trabalhar no País. Pela proposta, a definição do padrão de dificuldade das questões, hoje atribuição de professores e médicos, passaria a ser feita por alunos no fim do curso.

Defensores da mudança afirmam que a medida tornaria o exame mais justo. “Não faz sentido aplicar uma prova mais difícil para médicos que se formam no exterior. O padrão tem de ser o mesmo”, afirma o deputado Rogério Carvalho (PT-SE), que acompanha as discussões.

Leia mais da notícia no site do Estadão.

Prefeitos pedem a contratação de mais médicos



Prefeitos se reúnem em Brasília para pedir contratação de mais médicos, solicitando a simplificação da revalidação dos diplomas médicos obtidos no exterior. É um apoio de peso para aprovação dos projeitos de lei que pretendem facilitar a revalidação, tendo sido feito abaixo-assinado com as assinaturas dos prefeitos, a ser encaminhado à presidenta Dilma Rousseff.

Revalidação automática volta a ser debatida

O projeto de lei 399/2011, também conhecido como Arcu-Sul, voltará a ser tema de audiência pública no Senado, ainda no primeiro semestre deste ano.

Este projeto propõe o reconhecimento automático de diplomas oriundos de instituições de ensino superior estrangeiras de reconhecida excelência acadêmica.

Confira mais da notícia no site do Senado.

Aprovados no Revalida 2012

Parabéns aos 77 candidatos que revalidaram seu diploma de medicina no Revalida 2012.

Confira o resultado final na página do Revalida.

Formados na Argentina se dão bem no Revalida


Reportagem sobre formados em medicina na Argentina que se deram bem no Revalida. Clique para aumentar a imagem.

Reportagem JN sobre baixa qualidade dos médicos formados no Brasil


Reportagem do Jornal Nacional sobre a baixa qualidade dos médicos formados em universidades de São Paulo. 54,5% não atingiram a nota mínima no exame obrigatório instituido pelo Cremesp. Com certeza, os médicos formados em universidades de qualidade no exterior, como a UBA, estão muito mais aptos do que os formados na maioria das universidades brasileiras. O justo seria que os formados aqui também necessitassem convalidar seu diploma, caminho que começa a ser trilhado.

Exame de proficiência para médicos em debate

Está sendo debatido no Senado Nacional a possibilidade de ser criado um exame de proficiência para médicos recém formados, tanto no Brasil quanto no exterior, como requisito obrigatório para o exercício da medicina.

Esta é uma ótima notícia para os brasileiros que estudam medicina no exterior, pois esta prova, nos moldes da prova da OAB, iria unificar e tornar mais justa a validação do diploma médico obtido.

Atualmente, somente os médicos formados fora do país devem validar seu diploma antes de exercer a medicina. Se a proposta for aprovada, tantos os formados no Brasil quanto no exterior terão de validar seu diploma antes de exercer a profissão. Conforme a reportagem: "José Luiz Bonamigo, da AMB, apoiou o projeto de Tião Viana por estabelecer isonomia no tratamento dos médicos que se formam no exterior, que passam por avaliação para exercer a profissão no Brasil, com os diplomados em cursos brasileiros."

Confira a notícia completa no site do Sis Saúde.

Revalidação e provas da UFMT

Uma das instituições em que os estudantes mais se inscrevem para revalidar seus diplomas de medicina é a UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso). Em 2011, dos 637 inscritos foram aprovados 296, num total de 46%. Em 2012, a prova está em sua fase final.

Neste site há todas as provas de revalidação da UFMT desde 2005, algumas comentadas.

Exame para formados no Brasil pode estar a caminho

Uma idéia bastante discutida é por que os formados em universidades brasileiras não precisam passar por um exame para saber se estão realmente aptos a exercer a profissão, como os formados no exterior precisam.

Pois o Cremesp, Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, está tentando iniciar este caminho e intituiu participação obrigatória no exame que avalia a qualidade dos formados no Brasil. No ano passado, 46,7% dos participantes foram considerados inaptos a exercerem a medicina!

Com certeza, os médicos formados em universidades de qualidade no exterior, como a UBA, estão muito mais aptos do que os formados na maioria das universidades particulares brasileiras. O justo seria que os formados aqui também necessitassem convalidar seu diploma, caminho que começa a ser trilhado.

Confira mais na notícia do portal Último Segundo.

Matéria da Veja sobre revalidação

Matéria da revista Veja do dia 19/05/2012 trata sobre a facilitação da revalidação dos diplomas médicos:
 
"O governo federal prepara um decreto para facilitar a entrada de profissionais estrangeiros no Brasil. O principal objetivo da presidente Dilma Rousseff é abrir o mercado brasileiro para médicos do exterior, o que reduziria as filas nos hospitais dos principais centros e melhoraria o atendimento em cidades do interior onde há escassez dc profissionais de saúde. A medida também visa a atrair engenheiros e especialistas em informática, profissões de que o país carece. O decreto, que atenderá a pedidos de empresários à presidente, vai reduzir a burocracia na emissão de visto de trabalho e validação dos diplomas para os profissionais que venham ao Brasil já com contratos firmados com empresas nacionais."

Revalida poderá virar lei

O Revalida, exame nacional de revalidação de diploma médico, se consolidou e poderá virar lei, para garantir a sua continuidade permanente.

Defende Paulo Davim (PV/RN), autor do projeto de lei: "A vinda de médicos formados no exterior tem sido vista como uma fórmula de atacar o problema da carência em localidades mais remotas do Brasil. Então, é preciso consolidar o Exame e, para isso, sugerimos elevar sua instituição à categoria de lei, de forma que ele se transforme em política de Estado, e não apenas de governo".

Confira mais na notícia do SIS Saúde.

Governo pretende facilitar aprovação de médicos formados no exterior

Boa notícia para os que estudam medicina na Argentina: o governo federal pretende facilitar a aprovação de médicos formados no exterior, devido à carência desses profissionais no Brasil.

A ideia é flexibilizar a exigência ou até dispensar estrangeiros e brasileiros graduados em faculdades do exterior de fazer o exame para revalidação do diploma.

A presidente Dilma declarou, na reunião de cúpula dos Brics, que "Tem de ampliar o número de médicos atendendo no Brasil. Temos um dos menores números de médicos per capita (...) O Brasil vai ter de fazer um esforço nesse sentido, o Brasil tem de ter mais médicos".

Confira matérias sobre o tema no Estadão e no Valor Econômico.

Projetos de lei sobre revalidação

Três projetos de lei que tratam sobre revalidação de diplomas estão em andamento e, se aprovados, trarão inúmeras facilidades para os estudantes que cursam graduação no exterior:

1) O projeto de lei 3052/11 pretende permitir que universidades privadas possam revalidar diplomas de graduação obtidos no exterior. Atualmente, somente é permitido a universidades públicas revalidar o diploma.

2) O projeto de lei 399/2011 (mais conhecido como Arcu-sul) propõe o reconhecimento automático de diplomas oriundos de instituições de ensino superior estrangeiras de reconhecida excelência acadêmica. Confira notícia recente sobre o projeto no site do Senado.

3) O projeto de lei 15/2012 pretende simplificar o reconhecimento de diplomas de cursos de graduação em medicina expedidos por instituições de ensino superior estrangeiras, devido à carência de médicos no Brasil. Confira o texto do projeto aqui.

Projeto Provalida

Informações sobre o recente projeto Provalida, que irá revalidar diplomas de graduação em medicina expedidos por instituições de ensino estrangeiras, podem ser acessadas no site da UPE, clicando aqui.

Boa notícia sobre revalidação do diploma

Mais uma facilidade para a revalidação do diploma está por vir: a UPE (Universidade de Pernambuco) assinou termo de cooperação para revalidar diplomas de graduação em medicina expedidos por instituições de ensino estrangeiras, chamado de Provalida.

Confira a notícia aqui.